Será que bromélia dá dengue?

As bromélias, pelas formas que possui, tem sido apontada como um possível criadouro do 
mosquito Aedes Aegypt, transmissor da dengue. E este fato se deve ao copo existente na 
superfície floral, e que pode reter água. 


A verdade é que o mosquito gosta mesmo é de água limpa e parada em recipientes artificiais, 
sem material orgânico em decomposição, e preferivelmente de pH alcalino, condições estas 
dificilmente encontradas em depósitos naturais de água das chuvas, e em particular no interior 
das bromélias.


Destruir bromélias nas matas serve portanto apenas para piorar o equilíbrio já bastante 
precário de nosso meio ambiente, e em nada contribui para o combate da dengue. 
É verdade que muitas bromélias acumulam água entre suas folhas, nas quais pode ocorrer o 
desenvolvimento de mosquitos.


Porém se ainda assim você ficar na duvida ou com medo ao invés de tentar destruí-la, você 
pode cuidar para que não tenha perigo...


Sempre que regar sua bromélia, faça-o na região da raiz e não no copo da flor. Para sua 
segurança vire o vaso de cabeça para baixo, para estar seguro de que não há água retida.
Se o vaso tiver um prato para evitar que a água escoe, preencha o espaço entre o vaso e o 
prato com areia grossa ou retire toda água do prato. Isso evita que o excesso de água 
permaneça parado, como o mosquito gosta.


A bromélia plantada no solo pode acumular água da chuva no copo. Para evitar que isso 
aconteça, regue regularmente a planta com mangueira, pois  com pressão, a água se renova.
Nem todas as bromélias possuem um formato que lhes permita acumular água entre as folhas. 
As que o fazem, são chamadas de bromélias tanque dependentes.


A maioria das bromélias do gênero Tillandsia, e em particular as de folhas “prateadas”, são 
totalmente desprovidas de tanques, e portanto não podem servir de criadouro para nenhum 
tipo de mosquito.


Grande parte das bromélias dos gêneros Vriesea e Guzmania, muito difundidas atualmente 
por suas vistosas e duráveis inflorescências, embora dotadas de tanques, podem ter os 
mesmos mantidos sem água, bastando para isso que o substrato do vaso seja molhado uma 
vez por semana, e que a planta seja mantida abrigada das chuvas. 


Se não existir o acumulo de água nos tanques, não existe procriação de mosquitos.


A maioria das bromélias dos gêneros Aechmea, Neoregelia, Billbergia, entre muitos outros, são 
tanque dependentes, e portanto precisam de água acumulada entre suas folhas. Na natureza 
entretanto, esta água é normalmente rica em material orgânico, e portanto imprópria para o 
desenvolvimento do Aedes aegypti.


Mas existem cuidados simples que podem evitar que estas plantas em cultivo se tornem 
criadouros de qualquer tipo de mosquito, sem que tenhamos que eliminar as plantas, quer 
elas estejam em vasos, árvores ou jardins.


Usando borra de café (pó de café usado): coloque o pó de café usado ao redor do prato da 
bromélia ou de outra planta que você tem em casa. A cafeína ajuda a eliminar o mosquito. 
Substitua a borra de café a cada três dias.


Usando rolo de fumo picado: ferva por meia hora 20 gramas de fumo de rolo picado em um 
litro de água. Aplique uma vez por semana uma colher de sopa por bromélia.


Água clorada: dilua uma colher de sopa de água sanitária em 5 litros de água. Regue sua 
bromélia com essa solução uma vez por semana. O mosquito não resiste ao contato com essa 
mistura.


A prática da aplicação dessas receitas é recomendada para que as bromélias e demais plantas 
ornamentais continuem como elementos decorativos em jardins e interiores das casas, sem 
representar risco para a saúde.


Cuidados simples como estes eliminam qualquer risco por mais remotos que sejam de suas 
bromélias se tornarem criadouros de qualquer mosquito, e um difícil mais possível foco de 
disseminação da dengue, e permitem que você continue a desfrutar da companhia de tão 
belas plantas sem nenhum risco.


Se você ainda tem alguma suspeita de que suas bromélias possam vir a lhe trazer problemas 
com a dengue, saiba que não foi registrado nenhum caso da doença entre colecionadores, 
cultivadores ou produtores de bromélias em nenhum Estado do Brasil. Pura sorte? 


Fonte de pesquisa:  Informativo Casa & e Flor / www.cpo.org.br

 

Voltar

Comente